Eu vou perder suas cordas

As minhas coisas de repente estão tristes Compreenderam que não existe nada mais entre nos Meu violão caiu de cima do armario Suas cordas arrebentaram dando adeus a minha voz O meu casaco com voce se acostumou sentiu tanto a sua falta que de tristeza desbotou. Se eu soubesse que eu iria lhe perder Não teria acostumado minhas coisas com voce. Ate meu carro ja nõa tem velocidade Pois ele ... Você ora e prega usando suas cordas vocais, eu vou acabar com sua voz hoje”. Os agressores o atingiram e o chutaram, puxaram suas orelhas ouvidos, o arrastaram pelos cabelos e proferiram palavrões sobre o cristianismo e Cristo, disse o pastor, além de roubar o dinheiro que ele tinha nos bolsos, que equivalia a cerca de 51 dólares. Quando você quiser amor sem cordas. Eu vou estar esperando aqui. Esperando nas asas, esperando nas asas . Um sonhador natural, uma alma selvagem ... Posto pra secar nos dentes do vento. Acreditando na verdade das suas decisões. É tudo que há até o fim . Quando seu coração está cansado. Quando você quiser amor sem cordas. Eu vou estar ... músicos: Carlinhos 7 Cordas, Jorge Alexandre, Quininho, Leandro Pereira, Thiago da Serrinha, Ubirany [ ouça ♫ ] lá iá lá iá, lá iá lá iá lá iá lá iá, lá lá lá iá. um dia eu me acostumo com esse entardecer dois irmãos parei no Vidigal querendo me perder no Arvrão eu vivo mais distante da situação Cachambi Olá Galera eu sou novato nesse forum, bom eu comprei um baixo recentemente da tagima e pelo visto ja veio todo mal regulado. o problema é que as cordas estão muito altas e fica dificil tocar, pois ai tem que fazer força para tocar uma nota e fica dificil de dar slap tambem alguns amigos meus e até mesmo aqui no forum explicaram que é so baixar os parafusos que tem nos carrinhos, eu fiz ... Sem o teu carinho não sei onde vou Perdido eu estou preciso viver Seu amor eu quero, adoro e aceito Não vai ser desse jeito que eu vou lhe perder. A todo momento lembro de você Tentar esquecer é difícil de mais Abre suas portas me aceita de volta Porque o que mais importa é amar a mais. Sem o teu carinho não sei onde vou Perdido eu estou preciso viver Seu amor eu quero, adoro e aceito ... Fosse eu estilhaçar-me dentre as cordas do violino, perder-me pelas suas sinfonias que matam sentimentos e momentos, lágrimas cantantes de eternas dores de quem as tem. ... no mínimo agudo que soa da sua voz, assim, na minha mente. Eu puxo tudo isso pra mim, esse bocado que eu não quero que saia e eu vou me confundindo, errando, solando ...

Historico de merdas até 2014

2020.09.24 05:14 HondyS Historico de merdas até 2014

Não tem jeito poético ou "bom" de começar a falar sobre a própria vida como se ela fosse algo surpreendentemente interessante, ou triste.
Então vou começar do começo:
Algum dia no ano de 2007
Quando se trata de "primeira memória" eu não sei o que vem na cabeça das pessoas, por isso eu acho importante citar a minha memória mais lúcida e mais antiga, antes que ela suma da minha cabeça que nem tudo que veio na sequência dela.
Me lembro de ter sido a primeira e última vez que me vi brincando com minha mãe.
Estavamos no terreiro da casa da minha avó, brincando na terra com alguns carros que eu tinha, ela sentada num tijolo e eu sentado no chão, que era basicamente terra com mato.
Me lembro de vê-la sorrir antes de ser chamada por minha avó para resolver alguma coisa, ela me deixou brincando sozinho.
Aquela foi a primeira vez que eu me senti amado, mesmo que por pouco tempo. Eu queria muito lembrar de muito antes disso, e na verdade até lembro, mas são fragmentos distorcidos demais para se chamar de "lembrança" de fato.
2008
Considero esse ano o mais marcante da minha vida, por alguma razão eu sinto que MUUUIITA coisa aconteceu em 2008...
Eu lembro de ter amigos, de brincar com eles todos os dias, de me sentir trocado quando eles brincavam com outras crianças, de me sentir sozinho quando minha mãe ia trabalhar na cidade vizinha..
Eu sentia tanta coisa pra um moleque da minha idade, mas todos os sentimentos tristes iam embora quando algo feliz acontecia. Lembro de ter ganhado uma bola gigante que um cara passou vendendo, com um suporte de ferro gigante junto de um carrinho, haviam dezenas de bolas iguais e eu havia ganhado uma delas. Meu avô havia me dado.
Lembro dele ser muito bom pra mim, ele é assim com todos os netos dele, e se eu possuo uma memória ruim daquela época com ele eu prefiro esquecer, provavelmente eu fui danado demais e mereci levar algumas reclamações, ou talvez uma chinelada... Não sei dizer o que realmente aconteceu, mas como uma criança eu nunca deixei de amar ninguém por isso, as vezes passamos do limite em sermos chatos né.
Hoje em dia eu costumo olhar do passado e culpar essa criação como a principal fonte dos meus sentimentos reprimidos, do meu ódio.
Talvez tenha sido isso mesmo, mas 2008 não foi so onde meu ódio nasceu. 2008 foi quando eu descobri os principais sentimentos humanos e a natureza deles. Eu descobri que gostava de Garotas ao me aproximar da minha prima bobona. Eu percebi que eu estaria sempre sozinho se eu fosse depender dos meus amigos. Eu aprendi que eu não devia confiar nem mesmo em quem dizia ser minha família. Também aprendi o que é perder alguem... e aprendi que quem tem um pai presente, tem muita sorte.
Muito mais coisa aconteceu em 2008, se eu fosse fazer um "não-resumo" de tudo, seria grande demais, vamos pular para os anos seguintes que originaram meus principais traumas psicológicos e físicos.
2010 - 2014
Estava tudo ocorrendo normalmente e eu aparentemente cresceria como uma criança normal e fragilizada devido a criação precária em relação ao meu psicológico, pois para minha mãe, só ter comida na mesa bastava, e eu não culpo ela, que pais se importam com a saúde psicológica dos filhos? Se você não é um aleijado, eles não estão nem ai.
Mãe achou que era uma boa ideia por um homem na nossa vida depois que meu pai parou de ser uma opção definitiva. Foi ai que conheci meu futuro padrasto e fruto do meu ódio. Vamos chama-lo de "Merdastro" em homenagem a Chloe.
(Aquela personagem de life is strange, que você talvez conheça)
Meu Merdastro fisgou minha mãe como uma garrafa de farofa atraí uma Piaba. Ela mal conheceu ele e já estava namorando, não demorou muito pra eles se juntarem numa casa só e minha vida virar um inferno.
Como todo Merdastro, ele começou amigável no começo, me tratando como se eu fosse o irmão mais novo dele, afinal ele só tinha 18 anos, era quase a idade pra ser meu irmão mesmo. Mas com o passar do tempo ele revelou sua verdadeira face.
Ele era um filho da puta que implicava por qualquer motivo e que enchia a cara sempre que podia pra fazer confusão dentro de casa, e quando ele brigava comigo, mãe estava sempre do lado dele pra apoia-lo. Isso me feria profundamente pois eu amava ela demais, e vê-la me ignorar para seguir aquele maníaco me fazia ficar muito pistola. Um dia por que eu não parava de chorar devido a ela não me deixar sair de casa, ela resolveu que seria uma boa ideia me bater com uma corda molhada, isso por que meu padrasto me mandou calar a boca diversas vezes e eu continuei chorando.
Talvez para ele não me bater, ela se colocou no lugar. Talvez ela se arrependa, pois ela nega até hoje e diz que eu inventei isso, porém NÃO.
Nesse dia depois de levar uma surra e ficar com as costas marcadas, eu pulei a janela de casa e em seguida o muro, corri pra casa da minha avó em busca de abrigo e mãe foi me buscar logo depois, ela discutiu com meu avô mas logo isso passou batido como qualquer problema familiar comum.
Os anos foram passando e meu padrasto se tornava ainda mais cuzão, eu evitava ficar muito tempo em casa, então eu tava sempre na rua brincando com meus amigos, fazendo o possível pra me divertir antes de ter que encarar um inferno quando voltasse pra casa. Por sorte meu Merdastro era Crediarista então uma parte do mês eu só tinha que aguentar mãe no meu pé, e ela era mais amorosa quando ele não estava por perto, mais calma... É isso que chamam de amor, porra?
Eu aproveitava pra caralho brincando com meus amigos na época, vou chama-los por codinomes pra evitar expor eles.
Eramos cinco no total:
Absorvente
Macaco
Tijela
Hentai
Cachorra
SIM VADIA ESSA ERA MINHA CREW
Iamos pra de trás da casa de Hentai para brincarmos nos cajueiros, que era tipo mato, arvores fáceis de subir, nosso esconderijo e base do "clube", chamemos assim. Naquela época eramos todos crianças burras e ingênuas, passavamos o dia e a noite toda fazendo merda. Já ficamos presos em cima de uma arvore por que um boi ficou em baixo dela e não nos deixou descer. Já fizemos armas com canos e bexigas, essas que atiravam feijão. Lembro de mãe ficar puta comigo por que eu desperdiçada um saco de feijão brincando de "call of duty" na rua com eles, já quase ceguei Macaco com um tiro de feijão na fuça, bons tempos.
Eu poderia contar como conheci cada um deles mas eu acho isso bem chato então vamos de timeskip.
Um ou dois anos depois de tudo isso, meu padrasto chegou bêbado em casa e quis dar uma surra em mãe na minha frente, mas ele estava tão tonto que só quebrou uma mesa de vidro em vez disso. Mãe usou alguma artimanha de mulher (vocês sabem o que é) e conseguiu leva-lo pro quarto, fazendo-o dormir.
Logo depois disso nois dois pulamos a janela e fomos ate a casa da minha avó procurar ajuda. No dia seguinte ele foi preso.
Porém minha alegria durou pouco, mãe retirou a queixa um dia depois. Ela se separou dele depois disso.
Nos mudamos para uma casa diferente e aparentemente mãe havia se tornado uma solteirona cachaceira cheia de amigas piriguetes, essa época foi reveladora pra mim em quesito PUTARIA, pois essas amigas de mãe falavam muita merda e as vezes eu era obrigado a ouvir. Uma delas vendia produtos eróticos, tipo lubrificantes, calcinhas comestíveis e remédios para velhos-casados-broxas poderem levantar o pinto. MEU DEUS COMO ESSAS COISAS (exceto o lubrificante) eram vergonha alheia.
Até ai tudo bem, mãe saia para beber e me levava junto pra todo bar e festa, que eu soubesse ela não se envolvia com ninguém. Por que... ADVINHA, PLOT TWIST: ela ainda gostava do Merdastro.
Uma noite ela resolveu trazer ele pra nossa vida de novo, quando eu implorei chorando pra ela não fazer isso, ela me mandou calar a boca. E subiu com ele pra fazer vocês sabem o que. E eu tive que me contentar com o barulho deles e meu choro de fundo.
Foi nessa época que meu ódio começou a ser cultivado pra valer.
Não acabou ainda, até 2014 tem chão...
Não citei antes, mas um problema me incomodava já fazia um tempo. Eu tinha um tumor ósseo na lateral do meu joelho, ele aos poucos estava me impedindo de ser alguém fisicamente ativo, por "sorte" ele era benigno e não iria se espalhar e me matar. E também por "sorte", era muito raro e ninguém sabia como resolver. O diagnostico foi que eu não poderia retira-lo até parar de crescer, pois iria deixar minha perna maior que a outra. Eu estava condenado a viver com aquilo me limitando por alguns anos, e foi ai que perdi minha única forma de escapar de casa pra me divertir.
Sem poder correr, pular, chutar ou escalar, eu vivia dentro de casa jogando no computador e aguentando os surtos de mãe.
Sempre que eu tentava ignorar meu tumor e correr, eu sentia uma forte dor aguda, como se alguem tivesse acabado de moer meu joelho num triturador. Era horrível e não desejo isso pra ninguém.
Pra piorar tudo, não passamos um ano sem o babaca, e não bastou pra mãe transar com ele escondido, ela resolveu aceitar o pedido de desculpa dele e repensar o relacionamento dos dois.
Ele levou a gente numa pizzaria para se desculpar e pedir perdão. Ele chorou pra gente enquanto prometia melhorar. Enquanto mãe chorava com ele, tudo que eu fazia era observar com um olhar de "Pff, patéticos"
Como eu não tinha opinião ali, Não importava o que eu fizesse, ela iria aceita-lo de volta. Quando eu cheguei em casa depois daquilo eu gritei muito com ela.
Ela me disse: "quando você amar alguem um dia, você vai me entender"
Isso pode ser qualquer coisa, por mais estúpida que seja, mas amor não era. Infelizmente por uma decisão egoista dela, eu seria obrigado a passar pelo exato mesmo inferno de novo.
Mais tarde em 2014
Ano desgraçado né? Espera só.
Algum dia eu continuo isso.
submitted by HondyS to desabafos [link] [comments]


2020.09.16 18:58 Itchy_eyeball Uma análise mais a frio A razão porque não gosto do Pizzi, o impacto da derrota e outras conclusões

Vou ser sincero,
Mesmo depois de passar uma noite depois do jogo com o PAOK continuo muito frustrado, já não ficava assim desde as finais perdidas da Liga Europa. Os desaires com Lage e Vitória foram mais fáceis de digerir para mim porque nunca fui fã deles como treinadores do Benfica nem do caminho que a equipa levava, logo os falhanços eram expectáveis.
Mas esta foi diferente,
Este era finalmente um ano de transição, investiu-se muito e, para os que não gostam de Jesus (e acreditem vou falar dele neste post), é o melhor treinador do Benfica nos últimos 25 anos. A não ser que venha Erikssen ou que alguém ressuscite Bela Guttman, não tivemos melhor que JJ em muito tempo. As expectativas eram altas, não o exagero que vi por aí de ser obrigatório ir longe na Champions mas altas de qualquer maneira.

O jogo

Aqui não há muito a dizer que não foi dito por outras pessoas que percebem bem mais que eu, o Benfica esteve bem na primeira parte, encostou o PAOK às cordas, excelente na pressão e recuperação de bola e apesar de ter criado pouco teve duas bolas claras de golo que não entraram.
Foi daqueles jogos onde uma equipa é claramente superior mas o tempo vai passando e o golo não entra, na segunda parte perdemos imenso gás e sofremos dois golos devido a uma equipa partida e displicente defensivamente.

Individualmente

Everton: O melhor da equipa, claramente o jogador diferenciado no ataque, desequilibrou imenso, cruza bem, pena o golo não ter entrado. Não se aguenta no Benfica mais que uma época, especialmente com a situação financeira que nos avizinha, é desfrutar enquanto podemos.
Pedrinho: Gostei, o talento está lá para ser trabalhado, teve bons momentos e tem um grande pé esquerdo. Há aqui potencial para dar um bom jogador, não comecemos é já o hype exagerado.
Taarabt: Disse isto antes da época começar, se isto é a ideia que JJ tem para o 8 do Benfica vamos ter muito problemas. Foi dos melhores da primeira parte mas fica sempre sem gás aos 60 minutos, o que é muito mau visto que é o 8 num meio campo a dois, a partir daí a equipa ficou partida. É um bom jogador mas não pode ser o 8 nem pode ser titular.
Weigl: Esteve bem na primeira parte na circulação de bola mas jogou a segunda parte toda sozinho no meio campo. Esqueçam, Weigl não é Matic nem Fejsa logo é injusto pedir que ande pelo campo todo a recuperar bolas. É um jogador diferente que está a ser posto em situações que não potenciam as suas qualidades, também não ajuda nada quando jogamos sem 8.
Seferovic (perdoem-me porque vai ser a única vez que vou falar num tom mais rude neste post): É um jogador que já me dá raiva, mais uma vez perdemos uma eliminatória porque temos este cepo como o nosso avançado (ver Frankfurt e Sporting em 2019). É um jogador horrível que nem no Benfica devia estar, mas joga 70 minutos num jogo com consequências financeiras e desportivas altíssimas. Já devia ter feito o seu ultimo jogo pelo Benfica há muito tempo e espero que seja desta, para mim é um insulto sempre que o vejo com a nossa camisola.
André Almeida: Muito mal está a equipa do Benfica quando esta amostra de jogador é o nosso capitão. Épocas atrás de épocas de mediocridade, zero carisma, personalidade e capacidade de liderança equivalem a um lugar cativo no 11 e braçadeira de capitão, ontem foi só mais uma amostra.
Pizzi: Este jogo é para as pessoas que não percebem quem o critica e apontam sempre para as estatísticas. Seja a 8, segundo avançado ou ala direito, o tal maestro e craque da equipa é um jogador que cria muito pouco para os colegas, tem uma atitude deplorável, não defende e desaparece quase sempre nos jogos grandes. O seu tempo como titular do Benfica acabou. Por outro lado o Luca nem sequer entrou.
Grimaldo: Acho que a minha opinião do Grimaldo nunca esteve tão baixa como agora, do que vale ter um lateral tão frágil fisicamente e fraco a a defender se não faz a diferença na frente? Não quero desistir dele porque já fez muito de bom por nós mas o que mostrou em 2020 foi muito mau.

Jorge Jesus

Já vamos falar num contexto mais abrangente mas olhando para este jogo num vácuo a culpa desta derrota é quase de Jorge Jesus. Fiquei muito desiludido com a sua prestação deste a escolha do 11, ao jogo em si e com as declarações depois.
Aviso já que sou um dos maiores defensores de JJ mas gosto de achar que não sou fanboy, não é um exagero dizer que é o melhor treinador que tivemos nos últimos 25 anos mas sempre tendo em conta o que fez de mal porque a sua primeira passagem não foi perfeita.
Para mim a abordagem ao mercado e a escolha do 11 foram as maiores razões desta derrota. Não há motivo nenhum para Seferovic e André Almeida serem titulares depois do desastre que foi a época passada, acabaram os dois por ter responsabilidades no resultado. Por outro lado JJ tinha 40 milhões em pontas de lança no banco, um deles foi o melhor marcador da liga o ano passado, e escolheu gastar 3 milhões num lateral de qualidade muito questionável quando o que era preciso era alguém que tirasse de caras o lugar ao medíocre Almeida.
Visto que Gabriel não parece contar, o Benfica não tem um 8, Taarabt não tem rotinas nem pernas para a posição e foi uma grande razão pela qual perdemos o controlo do jogo na segunda parte. Mas JJ parece mais interessado em mais um avançado quando deixou 56 milhões em avançados no banco.
Portanto a imagem que JJ deixa neste primeiro jogo é que o Benfica gasta mais em reforços neste mercado que o valor de toda a equipa do PAOK, é eliminado por uma equipa muito inferior devido às suas decisões custando muito dinheiro ao clube e a reacção é pedir mais jogadores para posições que já estão preenchidas deixando lacunas no plantel por preencher.
Se a pressão era alta agora subiu mais uns níveis, tudo o que não seja o campeonato e uma performance aceitável na Liga Europa (quartos ou melhor) é um fracasso. Jorge Jesus tem a palavra.

O impacto desta derrota

Isto não foi só uma eliminação da Champions, tudo o que se fez neste mercado, o investimento, o regresso de JJ era para fazer o Benfica subir de nível, porque para ganhar campeonatos mal e porcamente já se fazia com RV e Lage. E a época começou logo com um teste enorme que iria definir muito do sucesso desportivo e financeiro do clube e falhámos redondamente.
O Benfica decidiu investir como nunca numa altura frágil para todos nós, enquanto quase todos os clubes acalmaram o Benfica foi a 6ª equipa da Europa que mais gastou neste mercado, e atenção que não somos uma equipa das big 5. Isto a juntar ao facto que não haver receitas de bilheteira ir à Champions era imperativo.
Parabéns a Luís Filipe Vieira por hipotecar o futuro financeiro do clube numa altura destas porque se sente ameaçado nas eleições. O Benfica fez 40 milhões em lucro contando com a venda do Félix, agora não há receitas de bilheteira, ainda não vendemos ninguém, fizemos o maior investimento de sempre e a massa salarial aumentou.
A consequência imediata será que não podemos contratar mais ninguém e vamos ter de vender mais que o esperado, entre Vinicius, Rúben Dias, Jota, Florentino espero ver mais que um sair do Benfica ainda antes do mercado acabar. Para não falar que o Benfica ainda tem muito entulho no plantel que pode usar para render alguns milhões, mas JJ parece que gosta de plantéis com 30 jogadores.
Muito curioso e assustado com o futuro próximo, desportivamente claro que ainda podemos dar a volta mas o impacto financeiro desta derrota é enorme. A não ser que o Benfica faça 80 milhões ou mais em vendas o que significaria perder jogadores importantes como Rúben Dias o que faria o nível da equipa descer outra vez
O nível da equipa ter descido até aos níveis do ano passado e 2018 foi um trabalho que demorou algum tempo fruto da péssima gestão e prioridades da direção. Agora que se sentem ameaçados tentaram resolver tudo de uma vez atirando demasiado dinheiro ao problema num contexto de pandemia. Se acham que esta malta quer saber do Benfica e não deles mesmos não sei o que vos dizer.
O que acham da análise? Concordam ou discordam com o que disse? Acham que esta derrota não vai ter tanto impacto como eu penso que vai?
submitted by Itchy_eyeball to benfica [link] [comments]


2020.09.10 15:57 henrylore Najiyu Ep 4 - Bem vindos! A resistência...

Ne: hm?
a-ah! oi, eu-eu não sabia que você tava acordado....
*coloca o violão pro lado
eu te acordei..?
H: não, eu na verdade acordei por acaso, a luz da lua tá muito forte e tals... o que você tá fazendo
Ne: lendas dizem que se chama relaxar
é uma das coisas mais preciosas que os deuses já inventaram para nós, seres vivos hauheheuee
H: hehe... ta tocando violão?
Ne: eu? n-não você deve ter ouvido coisas e tal...
(๑•﹏•)
H: *sobe a escada por completo e vai em direção a ela
o que é isso aí então?
Ne: tá.. eu tava tocando violão...
H: *senta do lado dela
você que fez?
Ne: na verdade não, eu ganhei em uma vila muito fofa, onde tava tendo festival da música... tiveram diversas confraternizações... e me deram esse aqui
H: conte mais
Ne: tinha um garotinho se apresentando, ele era muito legal
e então ele resolveu tentar arrecadar dinheiro com isso, as músicas dele eram muito fofas
e eu não consegui, e dei um dinheirinho pra ele...
daí ele me deu esse violão
H: e ele perdeu o violão então?
Ne: que nada, ele tem uma coleção deles, assim como outras pessoas tem diversos instrumentos lá
...ou tinham
H: tinham?
Ne: a vila foi fechada devido a invasões, se refugiaram aí pra um lugar que eu não sei
H: se refugiaram?
Ne: alguém chamado may e tals
apareceu lá e ajudou eles
H: isso foi fofo da parte dela.... ou dele
né?
Ne: foi sim mas eu queria agradecer aquele garotinho pelo violão... foi muito fofo da parte dele sendo que eu nem sabia tocar isso naquela época
H: mas foi do nada assim?
Ne: eu ia lá todo dia e ele tava lá, e eu sempre dava uma quantia específica pra ele, até que ele me disse que queria retribuir
eu fiquei mal pq ele disse que tava meio sem rumo graças a umas pessoas aí
talvez a gente se encontre de novo, eu não sei
dês de que tudo aconteceu não tem mais sentido ficar vagando por aí
H: o que?
Ne: meh, nao to afim de ficar falando bobagem pra você sentir pena de mim
eu quero que você me veja como a fodona
H: ta mais pra a fofona não?
Ne: *dá um peteleco na cabeça do Henry
H: você lembra do nome do menino?
Ne: hmmmm, não
H: •-•
a bom
Ne: esperava que eu fosse lembrar? hahahahah
você é engraçado
H: eu sou eu ué
Ne: hehehe
*olha pro bolso do Henry e vê um pedaço da foto
ei *puxa foto do bolso
onde conseguiu isso?
H: ah- eu- tava olhando ali e achei e quando- eu achei- eu peguei-
pq eu ouvi o violão e não consegui pensar...
Ne: tudo bem, mas não roube coisas dos outros, não é legal.
H: ...
quem é ela?
Ne: quem é quem
H: ela *puxa foto e aponta pra menina raposa do lado da nevaska
Ne: ...
*fica encarando a foto
a resistência... funciona em grupos e nós duas tínhamos um grupo a gente era líder dele
só que o nosso grupo era declarado um dos mais poderosos de toda a resistência, então as missões mais difíceis eram entregues a nós, então grande parte do grupo morreu depois de um tempo
H: ai...
Ne: mas nós duas éramos tudo, a gente lutava junta a gente era premiada junta
eu amava ela demais
até que....
H: que...?
Ne: a gente descobriu atividades com o selo que tá prendendo as entidades malignas que afrontaram Naji a 14 anos atrás
e então a gente foi abrir
*começa a chorar um pouquinho
e ela foi levada por algo que até hoje eu não sei o que é
H: ...
poxa...
Ne: a sua cor me lembra muito ela
e o seu jeito é o mesmo dela...
eu achei isso curioso
*olha pro Henry com um sorriso e lágrimas nos olhos
H: ...
Ne: é por isso que eu ainda vago talvez pra encontrar ela
mas sozinha...
H: *bota a mão no ombro dela
você não tá sozinha
a gente tá aqui por você né?
;)
Ne: ... :(
:
:)
brigada heri
H: nao é nada heehe
Nevaska, toca uma música aí
Ne: ei *coloca a foto do lado
pode me chamar de neva
*pega o violão
{detalhe: ela tá sem as luvas}
começa a tocar: *beabadobee - coffee
L: *ouve isso
*olha pro lado
hmph o cara foi cortar...
*volta a dormir
**no dia seguinte
Ne: MINUTOS! SAO MINUTOS QUE PERDEMOS MAS QUE NAO PODEMOS PERDER ENTAO VAMOS!
bom dia gente como vcs tão
H: a
bodia
L: Olá.
eu estou bem.
Ne: levantem, eu vou tá esperando lá fora, a gente vai pra um lugar especial
L: iiih, aí. ferrou...
H: Vish
**um tempo depois
**eles caminhando
Ne: então, a gente tem que ir pra um lugar chamado Nira, e lá a gente vai encontrar o qye a gente quer
L: Nira nao é uma vila em Naji?
Ne: sim
H: e lá vai ter?
Ne: uma mini base secreta de você sabe quem, lá a gente pode ter mais informações sobre oq fazer
**chegando lá eles conseguem até ouvir aquela melodia medieval de violinos legais
H: woooow
é uma baita duma vila
Ne: éé meu amigo, as vilas que vieram do reino não são moleza não eles são beeem burgueses, sabe?
H: hmmmm
Ne: *entra num bar
H: boa tarde famiiilia
Ne: *chega no barman e fala
eai, eu vou querer aquela bebida lá, schnitzel, sabe?
L: schnitzel nao é uma comida?
H: shhhh
Barman: ah sim claro, mas eu acho que você vai ter que me ajudar a procurar..
Ne: meninos, venham comigo
Ne, H e L: *entram no lugar lá do Batman
H: caraaaaca quanta bebida
Barman: Nevaska, quanto tempo!
quem são esses?
Ne: são integrantes novos da ordem
pode deixar a gente entrar
BM: sempre né
*puxa uma bebida que na verdade era uma alavanca e abre uma porta
tenham um bom dia
H: valeu
L: boa noite
BM: olha estranho pro Lusk
...
mas tá de dia né?
**eles descem e passam por uma porta aberta que sai de dentro de uma parede e que dá em uma vila meio vale escondida no meio de várias rochas
L: woooooow isso sim é delicioso
H: caraaaaca
Ne: *barulho de canudo
H: ?? Neva onde q vc conseguiu isso aí
Ne: *bebendo suquinho naqueles copos com canudo
ah, eu roubei do barman
tô mó com sede
??¹: EAI NEVASKA!!! QUANTO TEMPO
*da um tapão no ombro dela
QUE BOM QUR VOCE VOLTOU
Ne: aaaaa oiiiiii
H: quem é esse cara lusk
L: eu nao sei
??¹: *quase esmagando a Nevaska de abraço
AAAA
Ne: ah, gente!
*solta do abraço
esse aqui é o Arthur(não é o Art), ele é um dos membros da equipe de vigilância da resistência
a gente é amigo dês de que ele chegou aqui
Ar: Olá. *faz um paz e amor
L: bonito bonito, como vai a sua mãe?
Ar: ah ela vai bem cara, encontrei com ela ontem e tals
*olha pro Henry quieto
E VOCE VOCE É UMA RAPOSA???
H: hmmm... sim?
Ar: CARAAAACA QUE INCRIVEL
NEM SEMPRE TEMOS RAPOSAS AQUI SABIA?
VOCE CHEGAR AQUI É TAK LEGAL
*abraça o Henry
H: *sente o calor do corpo do cara como se ele tivesse ha 6 horas no sol
Ne: *bota mão no braço do arthur

Ar: *solta abraço
hm?
Ne: sabe onde tá o shi?
Ar: lá dentro, xingando todo mundo como de costume
Ne: meeeh que bosta hein
fica bem Arthur, a gente tá indo
*bebe mais um pouquinho do suco
Ar: falow falow, até logo
H: cara simpatico
Ne: ele é, as pessoas daqui normalmente são legais
L: normalmente?
Ne: tem gente aqui que age como se tivesse morrido ontem, e infelizmente é quem a gente tem que encontrar
??²: OOOOO NEVASKA!!!
*da um soquinho na cabeça dela
Ne: Winry?
Wi: muito tempo né?
Ne: eu não venho aqui faz um tempo...
gente, essa é a Winry, ela é da equipe de exploração e ela controla a água
ela é super rápida e super incrível
*bebe mais um pouco do suco
Wi: *dá um tapão nas costas da nevaska
AH QHE ISSO
Ne: *cospe o suco todo
o shi ta dentro do quartel?
Wi: sim.
{percebe-se que elas falam MT sério qnd se trata desse cara ai}
H: ....
**eles sobem numa escadinha que da pra uma árvore e lá eles encontram um escritório cheio de armas e uma cadeira virada
Ne: shibaru?
**vem uma faca voando
Ne: *segura
de novo?
Sh: *vira a cadeira
não vem a três anos, o que você quer agora?
Ne: temos novos membros, pode registrar eles?
Sh: nem se os porcos voarem
Ne: que? como assim não
Sh: você não pode voltar depois de tanto tempo com duas pessoas aleatórias querendo enfiar ela na nossa associação
Ne: como assim, quando eu tava aqui não era assim
Sh: porque você era líder talvez?
Ne: e quando eu saio você muda tudo?
Sh: olha só, respeito e calma são a chave para o universo
então trate de aderir *levanta
{Shibaru tem o cabelo azul escuro usa uma jaqueta preta com uma blusa branca e uma calça jeans e ele é BEM ALTO MESMO deve ter uns 1,80}
Sh: *vai em direção da nevaska
pra sua sorte nos temos missões para vocês e se conseguirem resolver
talvez eu reabra o seu grupinho
Ne: que missão então
Sh: suspeito e tenho quase certeza de que o pessoal do templo da areia tá envolvido com a morte de alguns dragões por la, talvez eles estejam usando algo pra matar eles tendo em vista que um dragão não ia morrer pro elemento areia ou parecido
Ne: °-°
você acha que é um?
Sh: anel...
H: anel?
L: anel?
Ne: ...
Sh: não falou pra eles, Nevaska?
hmmm bem
anéis que carregam ambars com poderes dos antigos guardiões de cada elemento
os guardiões eram aqueles que ensinavam os elementos pros guerreiros qud passaram de geração em geração
Ne: mas aí a ambição subiu a cabeça e mataram os guardiões pra roubarem a sabedoria e o poder
Sh: exato.
recuperar esse poder e talvez restaurar os guardiões seria um dos objetivos da resistência
então, estamos aí pra tudo
Ne: ultimamente esses casos de dragões mortos têm acontecido pra cacete e a gente não sabe o porquê
Sh: poder.
Ne: hm?
Sh: poder.
H: poder?
L: ~FODER?~
Sh: poder é algo que muitas pessoas querem hoje em dia
já que tudo leva a isso
H: como assim
Ne: é oq eu já te disse, o reino manda na gente com poder, e pra revidar a gente precisa de mais poder
então todo mundo aqui procura poder
Sh: menos nos, a gente procura justiça
H: ....
Sh: mas é, se vocês fizerem a missão e recuperarem o anel eu dou o distintivo
Ne: vem com a gente?
Sh: nao, EU tenho coisa mais úteis pra fazer.
eu vou ao palácio do mar
Ne: fazer o que lá
Sh: essa missão em específico vocês não precisam saber.
H: °°
L: ue...
Ne: 😪 complicado
Sh: se me dão licença *abre a porta e sai
H: ... e agora?
Ne: *procurando umas coisas
é, não tá aqui
vamos pro ferreiro
*abre a porta e sai
H e L: ferreiro?
**chegando lá
Ne: *abre a porta que toca um sininho
??³: *olha pra trás {é um cara de cabelo e barba preta, super gigante com uma roupa de couro e uma calça}
OOOOO NEVASKA
Ne: eai ferreiro
??³: Oooo quanto tempo
H: ola... ferreiro né?
Sa: meu nome é Sakiro mas pode me chamar de saki
H: saki... legal
L: SAMUEL?
Sa: nao, saki.
Ne: a gente pode entrar aí e escolher algumas armas?
no caso eles né
a gente vai numa missão agora e-
Sa: OOOOO MAS POR QUE NAO PEDIU ANTES?
entra aí
H: woooooow
L: quanta coisa
Ne: escolham qualquer uma
H: *vê uma espada 3 vezes maior q ele
essa não
*vê uma adaga
essa também não
**enquanto ele tá mexendo cai uma espada na cabeça dele
AI u-ue
*olha pra espada e vê o reflexo do próprio rosto nela e no cabo de ouro
{pensa numa espada de pirata, é isso aí}
H: BELEZA EU VOU PEGAR ESSA AQHI
L: *pensando
Ne: eai, não vai escolher não?
L: EU TO PENSANDO Ô TIA
*vê uma espada que chega perto de ser uma ninjato mas não é (é tipo a espada do kazuma)
eu acho que... não. espada é coisa de político.
tem um arco não?
Ne: tem esse aqui *pega um arco bolado horizontal digno de um legolas
L: OOOO ISSO É MELHOR QUE A LEGISLAÇÃO DA INDONÉSIA
Ne: então tá decidido! aqui, ferreiro, são essas
Sa: *pega as espada do Henry e remenda ela e tal
*troca a corda do arco
prontinho, tá aqui suas armas
H: OOO GG
L: MULEEEQUE
Ne: hehehe agora vamos!
**saem da loja
Ne: antes da gente ir, tem algo que eu tenho que mostrar a vocês...
*vai em frente a uma parede
*tira uma das luvas e lambe o próprio dedo
*põe o dedo na parede e a parede começa a abrir
**se revela um grande estádio dentro de uma caverna
H: OOOOO
L: OOoo
Ne: a gente tem que treinar, vocês são meio toscos ainda
SEJAM BEM VINDOS!!! A Teikō
a arena de treinamento da resistência!
H: !!!
L: woooooow
Ne: vocês nunca lutaram de verdade né
**se posicionam a Nevaska de um lado e o Henry e o lusk de outro
Ne: AGORA EU VOU TREINAR VOCÊS DE VERDADE CARAMBA
*a voz dela ecoa
H: AI SIM
L: finalmente serei treinado..
Ne: PRIMEIRO, HENRY
H: oi
Ne: toma cuidado com a sua cauda, raposas são extremamente sensíveis aí, e isso é a nossa fraqueza
ENTÃO NAO DEIXA ACERTAREM AÍ
L: é, realmente, acertar lá atrás seria desinteressante.
Ne: E LUSK VOCE LUTA MUITO BEM
MAS PROCURA FOCAR NO SEU ELEMENTO
L: BELEZA
H: então o que faremos?
Ne: a gente vai descobrir o seu elemento
H: MEU?
Ne: E EU VOU ACABAR COM A RAÇA DE VOCÊS QUERO NEM SABER
*estende as duas mãos e forma a lança de gelo de novo
*começa a girar ela
*para de girar e bate com ela no chão criando um pouco de gelo em volta de si mesmo
*cria um casulo de gelo em volta de si mesma
PRIMEIRA COISA, VCS VAO TER Q ME ACERTAR AQUI
H: ...
L: ...moleza
*faz uma bola de ar
ESFERA DO REDEMOINHO
*joga bola no casulo de gelo que bate mas não causa efeito
H: puts queridão acho q sua bala de ar comprimido não deu muito certo
L: CALA A BOCA TA LEGAL? EU TENTEI PELO MENOS
H: *corre pra cima do casulo e acerta com a espada
*tenta fincar ela
Ne: *faz espinhos de gelo em volta do casulo e joga o Henry pra longe
H: hmmmm *olha o casulo se quebrando quando ela faz isso
°°
LUSK
o casulo fica fraco quando ataca
L: hmmmm...
H: se liga
*finca espada no chão
*sai correndo pra dar um soco no casulo
Ne: *faz os espinhos de novo
H: *troca de lugar com a espada que acerta e racha o casulo
L: gg mas agora você perdeu sua espada né mané
H: VOCE TEM UM FUCKING ARCO ACERTA AQUILO ALI
L: acertar é comigo mesmo
*mira certinho e lança a flecha mas ele erra
H: CACETE VOCE QUER UM OCULOS
to vendo que não vai dar certo fazer isso
faz outro redemoinho de não sei o que lá aí
L: se chama... ESFERA DO REDEMOINHO
*joga a esfera na rachadura que estoura o casulo e da uma grande ventania
Ne: hmmmm beleza
H: hm?
L: •~•
Ne: nada mal, foi mais rápido do que eu pensava...
mas vocês não tão num talk show então não é bom ficar conversando alto
*estende a mão e prende os pés do lusk com gelo
H: *vai pra cima da nevaska e ataca com a espada
Ne: *defende com a lança e chuta o Henry pra longe
*coloca a mão do lado da boca e cria uma bola de neve
BOLA DE NEVE
*lança no Henry
H: *desvia da bola de neve q bate na parede ali
eu nunca pensei que lutar seria tão maneiro
Ne: *olha diretamente pro Henry
hehe..
agora se prepara pro
L: AAAA SUA MALDITA
*atira uma flecha nela
Ne: *cria uma parede de gelo que para a flecha
L: oh
Ne: *vai pra cima do lusk que já tá solto
sabe qual a desvantagem de ter uma arma de longo alcance?
É QUE VOCE NAO ATACA DE PERTO
*acerta uma lançada na cara dele que joga ele pra longe
L: maldita cabeçuda
*junta as mãos
TORNADO BOLADO
H: é cada nome
L: *joga a Nevaska longe
Ne: Henry, tem uma coisa que eu quero te ensinar
*faz uma bola de neve
H: o que?
Ne: REBATE ISSO AQUI
*joga no Henry
H: O QUE
*leva uma bolada muito forte de neve no estômago e cai no chão
ai
Ne: peguei pesado?
H: *levanta VICE NEM ME FALA COMO QUE REFLETE COMO É QUE EU VOU SABER
L: O SEU COLCHONETE
Ne: aiaiai
HENRY
H: oi
Ne: direciona a sua mana pra espada
*estende a lança e faz o mesmo
*fecha os olhos
assim que você faz isso, a mana é como um espelho que reflete mínimas partículas de luz fazendo você ver a sua própria cara
é mais ou menos isso
mas concentrando com velocidade
você reflete o ataque e ele se torna seu
pensa num espelho
*olha pra lança e o reflexo dela mesma na ponta feita de gelo
H: como um espelho?
Ne: *lança outra bola de neve nele
H: espelho...
*consegue sentir a mana fluindo na lâmina
*e então quando chega o ataque ele sente a velocidade e vai com tudo direcionando o ataque de volta como se fosse ele concentrando a mana na espada
REFLEXO DE LUZ
Ne: *desvia
**bola de neve explode atrás dela
é isso, uma habilidade exclusiva das raposas
H: wooooah
L: E EU?
Ne: ei lusk, foca mais em um só ataque, depois você pensa nos outros
eu gostei muito dessa sua bolinha
H: a bola de gude arejada?
L: É ESFERA DO REDEMOINHO SEU HERBÍVORO
mas então...
*faz a esfera na mão
DEPENDENDO ELA FICA MUITO MAIS FORTE
*concsntra todas as energias nela e faz uma super bola maciça na mão
pesado
*lança ela bem rápido na direção da nevaska
Ne: *DESVIA MUITO POR POUCO
QUALÉ MANÉ TA TENTANDO ME MATAR
L: nao era esse o objetivo
Ne: CLARO QUE NÃO
a enfim, eu acho que tá tudo bem por agora
*bate a lança no chão e quebra ela
VAMOS NESSA PESSOAL
**chegam na porta de um caminho de árvores
{la tem um monte de cavalo preso, e olhando tem vários mapas e plaquinhas mostrando onde tão as vilas}
Ar: *segura ombro da nevaska
nevaska, você acha que vai ficar tudo bem com eles?
Ne: sim, eu confio neles
você não?
Ar: eu nunca disse nada
[obs: quando o Art aparecer a sigla dele ou vai ser AT ou ART mesmo]
Ne: eu tenho que ir
*puxa um cavalo
H: um cavalo só?
L: ele aguenta?
Ne: eu e henry valemos por 0,5 pessoa e o lusk por 0,8
L: como você calculou isso?
Ne: eu não calculei
L: porra.
**sobe Nevaska na frente, Henry no meio, e lusk atrás
(o cavalo nem sequer se mexe, parece a coisa mais fácil do mundo levar esses 3)
Ne: viu?
L: meu deus quantos quilos vocês tem?
Ne: vamos!
*faz um movimento lá e o cavalo começa a andar pra longe
Ar: *olhando
Wi: *encosta no Arthur
Arthur eu encontrei algo estranho...
Ar: o que houve
Wi: no quarto do shibaru... ele deixou umas anotações...
*mostra pro Arthur
Ar: *lê
*vê desenhos de um cristal da água e um guardião
guardioes de agua?
Wi: *vira página pra ele
Ar: ... *lê
Hoje eu ------(folha arrancada)
e me inflitrar na ordem ---------
roubar um certo alguém
Ar: você acha que?
Wi: sim.
Ar: vamos investigar isso
*saem correndo em direção a casa principal
...
No próximo episódio
NAJIYU EP 5
Escrituras de uma antiga pirâmide de espelhos...
🖤
submitted by henrylore to Najiyu [link] [comments]


2019.01.06 06:31 sadpeoplealone acho que isso se chama vida, não é?

uma vez eu devia ter em torno de 14 ou 15, eu definitivamente não estava bem, eu tinha acabado de perder uma amiga, isso não é fácil de um adolescente superar, mas eu tentava falar comigo mesmo: "relaxa cara, vai ficar tudo bem, talvez o tempo te cure". pode parecer meio estranho, mas aparentemente eu estava me tornando meio antissocial, na verdade eu basicamente já era um, eu não gostava de sair, conversar, beijar e todas essas merdas que adolescentes costumam fazer na minha idade, eu realmente não esperava mais nada da vida, mas eu não me achava uma pessoa tão triste como eu me acho hoje, eu gostava de ir pra igreja, ouvia músicas não tão tristes e tudo mais, acho que eu só ouvia umas aberturas de animes e uns raps de animes que eram bem pra baixo, mas isso é outra história né? kkkkk
acredito que foi em torno de 2015, não me lembro bem, mas sei que foi no dia do meu aniversário, eu conheci uma garota, ela me mandou parabéns pelo facebook e eu ignorei de início, como eu estava fazendo com as outras pessoas. passou em torno de 5 ou 7 dias, eu não me lembro bem, e eu resolvi responder essa garota, ela era bem legal de se conversar, a gente passou alguns dias conversando e eu resolvi pedir uma foto dela, ela me mandou uma foto que tinha tirado no espelho de uma loja de sapatos, ela era muito bonita, muito mesmo. ela me contou o nome dela, idade e tudo mais, a gente foi aprofundando a conversa, eu meio que comecei a gostar dela, até hoje não sei em que sentido eu gostava dela nessa época, mas falei pra ela que era gostar de amar, isso meio que se aprofundou e a gente percebeu que não era no sentido de amar, então ficamos ali na amizade, ela era bem legal comigo, me tratava bem, era engraçada, me contava algumas histórias, e tudo isso era recíproco, eu realmente amava aquela garota, talvez foi uma pessoa externa que eu mais amei na vida, eu simplismente não consigo esquecer ela.
algum tempo se passou, e nos mantemos em torno de 2 anos se falando, aquilo foi muito bom, todo dia eu chegava ansioso pra pegar o celular e ver as mensagens que ela me mandou, você não faz ideia de como era bom ler aquilo e responder, eu basicamente só falava com ela, e não me incomodava o fato de eu falar só com uma pessoa, eu realmente gostava, aquilo me deixava feliz pra caramba sabe? eu acho que nunca mais vou me sentir assim, e vou contar porque nunca mais vou me sentir assim.
me lembro como se fosse ontem, dia 18 de agosto de 2018 às 14:49: eu recebi a notícia de que nunca mais ia conseguir conversar com a garota que eu mais amava, que eu ia permanecer só pra sempre e toda essa merda que passa na sua cabeça quando você acaba perdendo alguém importante. eu realmente não sabia o que fazer, confesso que fiquei longos 4 dias chorando sozinho, eu realmente não conseguia superar isso, provavelmente talvez eu não vá. e depois desses longos 4 dias eu parei pra pensar um pouco, e sempre quando eu pensava em toda essa merda eu retornava ao choro constante junto com o calor da almofada em cima da minha cabeça, pensando nas conversas, nas calls, nos conselhos, nas fotos aleatórias e tudo mais, talvez eu nunca mais irei conhecer alguém tão legal como ela.
então se passou alguns meses e eu não era mais o mesmo, eu realmente não fazia nada, não comia, dormia, saia, falava com os outros. todo mundo começou a perguntar o que tinha acontecido, eu inventava umas desculpas bem idiotas, não sei se as pessoas acreditavam em mim ou não. mas não aguentando essa perda eu comecei a recorrer as drogas, eu comecei tomando alguns remédios tarja preta, quando fui ver estava tentando me matar ao tomar toda caixa, cheirar todo pó, beber todo vinho e aquela corda áspera no meu pescoço, e eu não consegui. lembro que eu tive algumas alucinações, e uma vez eu vi ela, e foi meio estranho. hoje em dia eu não ligo absolutamente pra mais nada, eu não quero mais me matar e nem nada disso, o fato de eu não ligar pras coisas provavelmente me levará ao óbito.
eu já tentei alguns tratamentos profissionais, e isso definitivamente não me ajudou, eu não conseguia me abrir com a ideia de uma pessoa sendo paga pra ouvir meus problemas, a melhor parte do tratamento eram as receitas, eu realmente gosto delas até hoje, apesar de eu não ir mais, mas curto me entupir de remédios.
submitted by sadpeoplealone to desabafos [link] [comments]


2018.11.19 07:48 josimar_oliva Cama da mãe

O celular desperta mais uma vez. Seis e meia da manhã. Sempre coloco na função soneca para tentar dormir mais uns minutinhos. Na segunda vez que o celular desperta aquela música de alegria eu dou um pulo da cama e vou direto para o banheiro escovar os dentes e trocar de roupa enquanto a água do café ferve. Depois gasto quinze minutos para chegar ao trabalho de bicicleta. Ando igual louco por entre os carros com o fone ouvindo grudado nos tímpanos tocando My Blood Valentine no talo. Chego desnorteado na empresa e só penso em bater o cartão. Sempre chego atrasado mas não me importo com a cara feia do encarregado. Sou terceirizado e não devo nada para essa merda de empresa. Sei que provavelmente serei mandado embora depois da experiência mesmo. Mas dessa vez o encarregado me deu um esporro na frente de todo mundo e disse que se eu me atrasasse outra vez, era para ir direto para o RH da terceirizada. Como um bom gado que precisa de trabalho, apenas acenei com a cabeça e disse que não aconteceria novamente.
Quando cheguei em casa a noite minha mãe estava limpando meu quarto. — Meu filho, que bagunça é essa? Você tá ficando relaxado. Tu não era assim. — Embora não fosse, minha mãe sempre me tratou como filho único. Ainda mais quando saí de casa para morar sozinho. Ela todo dia vinha aqui ver se eu tinha almoçado, se eu já tinha lavado minhas roupas e etc, essas coisas que mãe faz. Depois de tanto tempo desempregado minha mãe não queria que eu perdesse aquele trampo. — Tá foda, mãe. Todo dia tem que fazer hora extra. (Hora extra essa que vai para o banco de horas). Hoje quase que fui para o RH porque me atrasei de novo. Esse celular sempre me deixa na mão (Miiintiiira! Eu que sempre quero dormir mais um pouco e não escuto o celular despertar). — Respondi de dentro banheiro enquanto tirava a roupa e jogava no chão. — Por isso eu não confio nessas tecnologia nova. Não dispenso meu rádio relógio. Todo dia ele desperta seis horas da manhã tocando na primeira oração do Davi Miranda. — Minha mãe respondeu enquanto entrava no banheiro pra catar minhas roupas sujas. — Ouh mãe! To cagando! — Eu respondi sentado na privada segurando o celular. — Deixa de besteira menino! Quantas vezes já limpei esse teu cu preto?
— Amanhã eu vou trazer um relógio de corda que era da tua vó. Ele nunca falha. Só precisa levar no relojoeiro pra acertar ele. — Respondi minha mãe apenas com um “ahã” enquanto via um vídeo de gatinho na tela do celular. — Tô indo meu filho, deixei a janta no micro-ondas, tá? — Respondi com outro “ahã” — Fui. Beijo. — Ela disse indo embora. Só ouvi a porta da kit-net batendo.
No outro dia de manhã acordei com cheiro de café antes do celular despertar. Minha mãe estava lá na pequena cozinha olhando a água preta com pó de café subir com a fervura. Antes de derramar o líquido ela desligou e passou o café pelo coador de pano. Levantei mal humorado como sempre e nem olhei pra ela. Fui direto para o banheiro. Voltei, tomei café enquanto ela arrumava a hora do relógio vermelho de corda que era da minha vó. Era bem antigão. Chega tinha aqueles dois sininhos em cima. — Pronto, agora você não vai perder mais a hora com esse aqui. — Ela disse colocando o relógio em cima do criado-mudo ao lado da minha cama. Fui para o trabalho no galpão logístico. Era a primeira vez que eu chegava antes do sinal de bater o cartão apitar. Era dureza puxar aqueles paletes com mais de uma tonelada pra cima e para baixo dos corredores com aquela empilhadeira manual que não recebia uma gota de lubrificante a décadas. Meu corpo doía mas de certa forma eu estava feliz. A quanto tempo eu não sabia o que era ter emprego? A quanto tempo eu não sabia o que era ter dignidade? A noite voltei pra casa e minha mãe estava lá no meu barraco de novo. — Cade suas roupas sujas, meu filho? — Disse ela logo quando eu cheguei. — Mãe deixa minhas roupas aí. Eu sei me virar. — Eu disse um pouco ríspido. Ela saiu meio cabisbaixa com a roupa na mão. Eu fiquei meio estranho mas eu estava tão cansado que nem percebi que eu a tinha magoado.
No outro dia acordei com um barulho ensurdecedor de metal batendo como se fosse uma bateria de black metal extremo tocando num show de horrores do inferno. — Caralho, como desliga essa merda? — Fiquei uns cinco minutos tentando desligar aquela peste barulhenta. Minha cabeça chega começou a doer com aquele TRIIIIIIIMMMM maldito. Novamente minha mãe estava na cozinha passando o café. Passei por ela muito puto porque ela colocou o bicho para despertar mais cedo do que eu colocaria. Estava tão raivoso que nem tomei café e nem respondi ao bom dia que ela me deu. Peguei minha Poti azul e saiu com o fone de ouvido dentro do meu cérebro em direção ao galpão.
Chegando lá, mais um dia de empurra e puxa carrinho quebrado pra cima e pra baixo. Aquelas rodas de silicone estavam só o pó da rabiola. As vezes emperravam quando tinha muito peso em cima da palheteira. Então eu tinha todo um trabalho de buscar outro palhete, colocar metade dos produtos nele, levar o palhete com metade dos produtos para a carregar no caminhão, depois voltar e buscar o outro palhete com a outra metade dos produtos. Conclusão: eu não conseguia fazer metade da meta de produção que era imposta para nós fazer durante o dia. No fim do dia, o encarregado veio me chamar atenção do porque meus caminhões estavam demorando a ser carregados. Eu disse que era por causa da palheteira que estava ruim mais ele nem quis saber e disse que não era problema dele pois os equipamentos também eram da terceirizada. Saí puto demais batendo pé sobre pé com a aquela bota com bico de aço que apertava meus pés. Chegando em casa novamente minha mãe estava lá caçando alguma coisa que eu não sei. Dessa vez fui muito grosseiro com ela. — Ouh mãe, dá licença! To cansado porra! Dá um tempo! Você não tem mais o que fazer não? — Eu vi os olhos dela encherem de lágrimas. O arrependimento bateu na mesma hora mas já era tarde. Ela largou a roupa no chão, montou na bicicleta dela e saiu fora.
Só consegui dormi um pouco antes de amanhecer. Fiquei metade da noite vendo vídeos no ̶x̶v̶i̶d̶e̶o̶s̶ youtube e a outra metade da noite pensando sobre minha promessa de nunca pedir desculpas pra ninguém. Desculpas não muda o fato ocorrido. Sempre achei um desperdício chorar e pedir desculpas. Nem lembro a última vez que chorei. Então quando peguei no sono, sonhei que estava na beira de uma piscina tomando uma cerveja e com vontade de mijar mas não queria sair porque eu estava olhando a gordinha do RH de fio dental no outro lado da piscina pegando sol naquela bunda maravilhosa. Resolvi atravessar a piscina para ir falar com ela mas quando eu estava no meio da água ouvi um raio batendo na água e fazendo um barulho ensurdecedor: TRIIIIIIIIIIIMMMMM!!! Ah não! Era aquele maldito relógio de novo. Peguei aquela porcaria e taquei com todo o ódio do mundo na parede. PLAAAAU! Virou mil. Minha mãe que estava novamente na cozinha fazendo café entrou no quartinho como as lágrimas rolando pelo rosto e pegou o que sobrou do relógio da mãe dela. Agora acho que fui longe demais. Ela foi embora deixando a água com café fervendo no fogão que logo derramou e apagou o fogo.
Já tinha uma semana que ela não voltava lá em casa. Mas eu não ia dar o braço a torcer e pedir desculpas. “Tu é homem ou é um rato?” meu pai diria. Homem não pede desculpas. Fez tá feito. É o que ele também diria. Aquele dia cheguei atrasado no galpão logístico novamente. Eu me aproximava da roda de reunião quando o encarregado olhou para mim e disse na frente de todos — Você tá achando que aqui é casa mãe Joana pra chegar a hora que tu quer? Hein meu patrãozinho? Pode ir se virando lá com a terceirizada que eu não quero gente preguiçosa aqui na minha equipe não. — Os caras todos riram e eu saiu puto e de cabeça baixa. A gordinha do RH já me esperava com a rescisão na mão. Jesus, eu nunca vou esquecer daquele bundão.
Saí da empresa devastado. Montei na bicicleta fui pedalando por entre os carros, ônibus, caminhão. Minha cabeça doía. Acho que a dor era mais pela humilhação. Não consegui pensar em lugar nenhum para ir. Minhas pernas me levaram onde sempre vamos quando estamos mal. Fui pra casa da mãe do mesmo modo que quando era criança e ficava doente ia direto para a cama dela. Cheguei lá e a mãe estava no sofá fazendo crochê. Ela me olhou e pareceu que já sabia de tudo. Eu me agachei e chorei no seu colo. Chorei. Chorei, chorei, chorei alto e largado que nem criança. Que alívio! Quanto tempo eu não chorava? — Mãe, a senhora me desculpa por ter quebrado o relógio da vó? — Eu disse com o nariz todo catarrento escorrendo. — Claro meu filho. — Ela disse com uma voz doce. — E eu também fui mandado embora, mãe. Que que eu vou fazer agora? Não consigo parar em emprego nenhum. — Eu disse explodindo em lágrimas novamente. — Calma, meu filho. Deus vai dar um jeito. Deus vai dar um jeito.
submitted by josimar_oliva to rapidinhapoetica [link] [comments]


2018.04.26 02:05 richardbrx Viagem de férias e surpresa

Eram as férias de julho de 2016 e combinamos, eu, meu 2º marido e minha filha, tirá-las numa estância em Mato Grosso. Antes de começar o relato quero nos descrever: tenho 33 anos, mãe solteira, loura, olhos verdes e um corpo modelado em academia que frequento com minha filha, seios grandes, sempre depilada; minha filha estava com 16 anos seu corpo é maravilhoso, depilado como o meu, seios ligeiramente menores, cabelos castanhos na altura dos ombros; meu marido, também 33 anos, tem tipo franzino, é moreno.
Num sábado, pegamos a estrada. Num trecho de pouco movimento caímos num buraco enorme que furou 2 pneus. Meu marido trocou um deles, mas tivemos que aguardar que alguém passasse para solicitar ajuda. Cerca de ½ hora depois apareceu um caminhoneiro que ofereceu-se para levar o pneu a uma borracharia. Receoso de nossa exposição e vulnerabilidade se ficássemos ali, meu marido pediu que fossemos junto com ele com o que concordou.
Dirigiu por cerca de 15 km desviando por uma estrada de terra e parou junto a um bosque. Apanhou algumas cordas na caçamba e ordenou que descêssemos. Indaguei o que faríamos pois nada havia à vista. Mandou que caminhássemos até o bosque revelando que queria minha filha. Começamos a chorar e me ofereci em troca. Amarrou-a numa árvore e lambeu os beiços ordenando que eu tirasse a roupa. Usava uma blusa frente única amarrada em torno do pescoço e um short justo sobre a calcinha. Hesitei e me deu um bofetão marcando meu rosto. “Tira a roupa, vagabunda, para provar um cacete de homem”. Desamarrei a blusa que caiu ao chão revelando meus seios orgulhosos e empinados. Abocanhou-os sugando os mamilos que endureceram. “Está gostando, sua vaca?” “Não me trate assim. Só estou fazendo isto para proteger minha filha”. “Ajoelhe-se e chupe minha pica”. Obedeci e minha filha viu quando enfiou-a em minha boca. Suguei o mastro lambendo o pré-gozo. Satisfeito com minha submissão, ordenou que deitasse abrindo as pernas e enfiou a vara em minha buceta, me comendo com força e com violência. “Que buceta apertada.
Seu homem deve ter uma piquinha que não te satisfaz”. Movimentou-se e excitou-me. Gozei aos gritos. “Agora, gostosa, vou enrabar você. Fique de quatro”. “Não, meu cuzinho não está habituado a levar vara”. “Será você ou a putinha ali”, replicou. Mais uma vez, cedi, virando. Lubrificou a vara na minha buceta toda mulhada e forçou a entrada. A dor foi imensa e gritei quando as pregas cederam, recebendo a piroca. Gozou dentro. Ao sair, vi um filete de sangue misturado ao esperma caindo ao chão.
Ordenou que chupasse minha filha enquanto sugava e mordia seus peitos. Minha filha gozou em minha boca. Retornamos ao caminhão e nos deixou na borracharia avisando que eu gostava de trepar. O conserto durou 1 hora e o borracheiro nos levou de volta. Meu marido já estava preocupado com a demora e contei-lhe nossa odisseia. Trocado o pneu, seguimos viagem. Eu estava dolorida e troquei de lugar com minha filha, passando para o banco de trás, deitada de bruços. Quilômetros depois, fomos parados numa blitz policial. Os policiais verificaram os documentos encontrando alguma irregularidade que não explicaram. Mandaram que saíssemos e nos levaram, separados, à base retendo-nos lá até a troca de turno que era à noite. Dali saímos, em duas viaturas, para outro local. Eu e meu marido fomos em uma, acompanhados de 2 homens e minha filha na outra, também acompanhada. Meu marido foi colocado no “chiqueirinho’, um local gradeado reservado para presos. Em 15 minutos, chegamos a uma construção deserta. Eu e minha filha fomos retiradas das viaturas e levadas para uma cela. Meu marido ficou em outra, adjacente, algemado à grade e à nossa vista. Informaram que o caminhoneiro avisara que vínhamos atrás e éramos ‘carne fresca’ e os satisfaríamos. Fomos despidos.
Zombaram do minúsculo pau de meu marido dizendo que jamais satisfaria uma ‘égua’ como eu. Os quatro entraram em nossa cela aproximando-se de mim. Imobilizada, chuparam minhas tetas e enfiavam seus dedos em minha buceta e no cuzinho dolorido. Minha filha olhava o abuso da mãe implorando que parassem. “Cale a boca e fique quieta. Sua vez chegará”.
Meteram em minha vagina, revezando-se e gozando abundantemente. Virada de bruços, recebi um mastro comprido e grosso no cuzinho, chorando pelo arrombamento e dor. Exausta fui deixada de lado e voltaram-se para minha filha que foi presa na cela de meu marido. “Chupe até ele gozar em sua boquinha”. Recusou e forçaram seu rosto para a rola dele. Abriu a boca e recebeu a vara. Sugava desajeitadamente, pois era seu primeiro boquete. Meu marido, excitado, começou a se movimentar e explodiu em gozo que ela engoliu. “Gosta de leite de macho, putinha ? Vai chupar todos nós”. Um por um gozaram nela. A porra escorria de seus lábios molhando os peitos e bicos. “Agora deite-se e abra as pernas”. “Por favor, ela é virgem”, supliquei. “Melhor. Está grandinha o suficiente para perder o cabacinho”, replicou o mais forte deles. Deitou-se sobre ela e enfiou-lhe o mastro. Minha filha arqueou o corpo e gritou ao perder o cabaço. O homem movimentou-se gozando junto com ela. “Aprendeu a engolir uma rola ? Agora vamos provar seu cuzinho. Fique de quatro e empine a bundinha”. Minha filha esperneou, implorou e chorou, urrando quando as pregas se esgarçaram permitindo a violação. Seu cuzinho sangrava e desfaleceu. Logo, entrou o caminhoneiro saudando os policiais. Era amigo deles e perguntou se sobrara alguém. Responderam que o rabo de meu marido não tinha sido usado. Alegremente aproveitou-se dele. Horrorizada, presenciei o estupro de meu marido que, após algum tempo, rebolava na vara e pedia mais. O esperma vazava de seu cu. Ficamos ali durante as férias sendo usados por inúmeros homens que visitavam a casa.
Os policiais pediram nosso endereço e as chaves de casa retirando o que havia de seu interesse. Quando nos soltaram ao final das férias, avisaram que nos visitariam em algumas semanas. Cumpriram a palavra e hoje somos seus parceiros sexuais. Tanto eu como minha filha engravidamos desses contatos. Vou parir em poucas semanas e minha filha um mês depois. Durante o período de resguardo, combinamos que os chuparíamos permitindo o gozo na boca e meu marido, agora uma bichinha, daria o rabo para satisfazê-los. Nossas férias mudaram a vida para melhor e já estamos programando novas viagens.
submitted by richardbrx to XGOZO [link] [comments]


TE PROCURO LÁ - Cordas e Rimas Suas cores (True colors / trolls) - Bruno Willamy Cover Clipe: Balanço, Alice Passos MANTENHA A VOZ LIMPA Cordas e Tubos Sonoros 2. Hot e Oreia part. Djonga - Eu Vou - YouTube

Irreverência/ Seis Cordas (pout-pourri) - Fulô de ...

  1. TE PROCURO LÁ - Cordas e Rimas
  2. Suas cores (True colors / trolls) - Bruno Willamy Cover
  3. Clipe: Balanço, Alice Passos
  4. MANTENHA A VOZ LIMPA
  5. Cordas e Tubos Sonoros
  6. 2. Hot e Oreia part. Djonga - Eu Vou - YouTube

Letra ⬇️ Seu olhar tristonho Tenha coragem Eu entendo bem E sei que é difícil Em um mundo tão cheio Você pode se perder As sombras lá dentro Te deixam tão menor Sorria então Não fique ... Massageando as Suas Cordas Vocais Em Poucos Minutos - Duration: 6:30. Iara Negrete Vocal Classes 186,200 views. 6:30. Voz desafinada? E agora como resolver? ' eu nÃo vou te perder, eu nÃo vou te perder eu nÃo vou te perder, eu nÃo vou te deixar nÃo vou te perder, eu nÃo vou te abandonar vÁ vocÊ pra onde quiser, que eu te procuro lÁ! te ... Deixe suas dúvidas e/ou sugestões nos comentários. Eu vou ajudá-lo a resolver. Dê o seu like e se inscreva no nosso canal para acompanhar as novidades em conteúdos e exercícios. [[ ative a legenda para ver as letras ]] //--//--//--//--//--//--//--//--//--//--//--//--// Ficha: Direção: Belle Melo e Vito Soares Produção Executiva: MINA... Suas cordas não param de gritar Sem me deixar dizer, chorar, implorar Me deixei sair, que eu vou voltar Se o meu sorriso é o suficiente Por que me amarra com essas correntes?